domingo, 2 de outubro de 2016

Trabalhando Sentimentos que Nos Destroem

Gosto de ouvir as mensagens do Pr. André, (https://www.youtube.com/watch?v=PPZ0g4CCMUs) e não tem muito tempo, ele trouxe uma mensagem sobre a inveja, e para falar sobre o assunto ele se utilizou de uma brincadeira para nos fazer entender, de quem o invejoso fica realmente com raiva.
Ele convidou três pessoas que estavam na igreja aleatoriamente, para subir no altar e deu um brinde para cada uma delas, a uma ele deu um tablet, a outra um mouse, e a outro duas pilhas.
E brincando, mas ao mesmo tempo ensinando, foi fazendo as comparações. A primeira que ganhou um tablet, com certeza estava muito feliz, afinal de contas ganhou um tablet, não faltou motivos para dar glórias a Deus, a segunda que ganhou um mouse, não estava tão entusiasmada com o presente, mas conformada, pelo menos não ganhou duas pilhas, já o terceiro,  deveria estar pensando, “Que é isso? Perseguição” “Que é que eu fiz de errado?” “O que esse pastor tem contra mim?” ou seja, o pastor ensinou  que a raiva, mágoa, ou questionamento  que o invejoso tem não é exatamente da pessoa invejada, mas sim, de quem deu o presente.
E isso é realmente pra pensar e entender que a inveja além de ser um fruto da carne nos relacionamentos humanos, no relacionamento com Deus é também e principalmente um pecado contra Ele, porque é como se tivesse dizendo pra Deus, que Ele não sabe exatamente o que está fazendo quando abençoa outras pessoas, com bênçãos que julgamos merecê-las.
Eu pego esse aprendizado pra falar de algo, que às vezes não nos atentamos, principalmente quando sofremos algum tipo de perda, seja ela de um ente querido através da morte, seja ela profissional na perda de um emprego, seja emocional quando amigos precisam se distanciar para um novo tempo em suas vidas.
As reações são diversas, mas gostaria de chamar a atenção apenas para uma das reações e que penso ser a mais difícil de assumir, que é o questionar a Deus pelo acontecido. Quando culpamos a nós mesmos, quando buscamos bodes expiatórios, quando especulamos, no fundo, estamos questionando a sabedoria de Deus e a autoridade de Deus em permitir que tal fato acontecesse e com isso nos colocamos no mesmo estado que Jó se encontrava quando o Senhor começou um longo interrogatório com ele: “Onde estavas tu, quando Eu lançava os fundamentos da Terra?” Jó cap.38 ao cap.41.

Que diante das situações da vida que não conseguimos entender, voltemos a esse texto e compreendamos que o Senhor é Soberano sobre todas as coisas e que nada lhe passa despercebido, que Ele sabe exatamente do que precisamos e que TODAS as coisas cooperam para o bem daqueles que amam à Deus.

Postar um comentário