quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Vencendo o que te Envergonha


Chegando o rei Davi a Baurim, um homem do clã da família de Saul chamado Simei, filho de Gera, saiu da cidade proferindo maldições contra ele.
Ele atirava pedras em Davi e em todos os conselheiros do rei, embora todo o exército e a guarda de elite estivessem à direita e à esquerda de Davi.
Enquanto amaldiçoava, Simei dizia: "Saia daqui, saia daqui! Assassino! Bandido!
O Senhor retribuiu a você todo o sangue derramado na família de Saul, em cujo lugar você reinou. O Senhor entregou o reino nas mãos de seu filho Absalão. Você está arruinado porque é um assassino! "
Então Abisai, filho de Zeruia, disse ao rei: "Por que esse cão morto amaldiçoa o rei meu senhor? Permite que eu lhe corte a cabeça".
Mas o rei disse: "Que é que vocês têm com isso, filhos de Zeruia? Ele me amaldiçoa porque o Senhor lhe disse que amaldiçoasse Davi. Portanto, quem poderá questioná-lo? "
Disse então Davi a Abisai e a todos os seus conselheiros: "Até meu filho, sangue do meu sangue, procura matar-me. Quanto mais este benjamita! Deixem-no em paz! Que amaldiçoe, pois foi o que o Senhor lhe mandou fazer.
Talvez o Senhor considere a minha aflição e me retribua com o bem a maldição que hoje recebo".
Assim, Davi e os seus soldados prosseguiram pela estrada, enquanto Simei ia pela encosta do monte, no lado oposto, amaldiçoando, jogando pedras e terra.
O rei e todo o povo que estava com ele chegaram exaustos a seu destino. E lá descansaram.
2 Samuel 16:5-14
O título dessa postagem tem sido o tema de série de mensagens que a minha igreja tem trazido nesses últimos dias.
E ao ler esse texto falando de Davi lembrei dessas mensagens e de uma experiência que vivi ano passado em um Retiro de Mulheres.
Fui a convite de uma amiga, e aceitei porque se tratava de um retiro para recém convertidas e mulheres que ainda não tiveram nenhuma experiência com Deus. Eu não era nem uma coisa e nem outra, mas fui com a intenção de aprender e de conhecer um pouco mais do trabalho que é feito com essas mulheres.
Como praticamente só conhecia a minha amiga, falei com ela para que não se preocupasse comigo e em me dar atenção o tempo todo, pois eu estava ali para observar e aprender, e assim foi. a maior parte do tempo, fiquei estudando a Bíblia e refletindo em cada mensagem trazida, eram cinco por dia.
No último dia, no intervalo entre uma mensagem e outra, uma das mulheres que lá estavam, chegou até mim e iniciou uma conversa:
_ Tenho te observado desde o primeiro dia e visto seu comportamento, estudando e anotando tudo o que é dito, que me fez sentir vontade de me aproximar e desabafar com você. Posso?
E ali ela começou a me contar toda a sua trajetória de vida.
Essa mulher tinha sido da igreja por muitos anos, criado seus filhos no caminho do Senhor, tinha um casamento bom, estável, apesar de seu esposo viajar muito, pois era militar, até que um belo dia, seus filhos adolescentes, seu esposo mal chega de viagem, arruma suas malas e simplesmente diz pra ela, que não quer ficar mais casado com ela, a humilha e diz que estava num novo relacionamento e que agora ele era feliz de verdade.
Essa mulher conta que no momento a única reação, foi trancar a porta do seu quarto e chorar compulsivamente. Ela entrou numa depressão seríssima, principalmente depois de saber que o seu novo relacionamento era com uma vizinha, amiga dela. Até que um belo dia uma parente, tentando ajudá-la a sair da depressão a convida a fazer um curso de dança de salão, nada contra, mas, para essa mulher foi a sua destruição.
Realmente ela conseguiu sair da depressão, passou a se cuidar, trabalhar, mas durante o período de depressão ela se afastou por completo da igreja e de Deus, e frequentando o curso de dança não demorou a surgir os convites, e quando ela deu por si já estava num mundo de promiscuidade.
Ninguém da família nunca desconfiou e como ela trabalhava muito longe de sua residência, ela só vinha para casa nos fins de semana. E assim foi sua vida por muitos anos, tudo o que uma mulher de vida promíscua pode fazer com um homem ou vários homens, segundo seu relato, ela fez, até que, de dois anos para cá, ela tem aos poucos se voltado para Deus, conheceu outro homem, que sem conhecer o seu passado e sabendo que ela passou a frequentar a igreja, resolveu acompanhá-la e se tornou mais comprometido com Deus do que ela, segundo suas palavras, pois ele se converteu, batizou-se, frequenta a Escola Dominical, vai a todos os Encontros de Homens e evangelismo e queria casar com ela.
Apesar dela gostar desse homem, a culpa, a atormentava, ela não achava justo esconder dele o que ela havia sido. E se ele não entendesse e contasse para seus filhos, fora isso tinha aqueles que não acreditavam que ela sustentaria essa mudança por muito tempo e ela por vezes acreditava que realmente não conseguiria, havia ainda um certo vício latente.
Por graça o Senhor nesse dia me usou profundamente para ministrar ao coração daquela mulher que não conseguia se perdoar  e que ainda estava num processo de libertação pelos vícios e culpa que carregava e confirmou ao seu coração tudo o que eu disse através da próxima mensagem que ouvimos.
Por que o texto de II Samuel 16:5-14 me fez lembrar esse episódio?
Simei que era um parente de Saul, ao amaldiçoar Davi e jogar-lhe pedras, achou que o que Davi estava passando com a traição de seu próprio filho Absalão era conseqüência pelo o que ele tinha feito a Saul e sua família. Na verdade muito da morte de Saul e seus filhos ficou mal contado para o restante da casa de Saul, tanto que aqueles que vieram dar a notícia da morte deles como posteriormente trazendo a cabeça de Isbosete acharam que estavam fazendo um favor para Davi, por outro lado, Davi tinha consciência, o fato de seu filho estar se voltando contra ele, fazia parte das conseqüências que tinha que enfrentar por causa do seu pecado com BateSeba (mandou matar seu marido para ficar com a mulher que desejava) e não pela morte de Saul e seus filhos.


O que podemos tirar como lição dessa passagem, e vencer o que nos envergonha, é que mesmo tendo cometido erros que daríamos tudo para que nunca os tivesse cometido, a atitude de Davi tem que ser a nossa atitude, prosseguir e continuar a jornada, ainda que levando pedradas e sendo amaldiçoado, enfrentando as conseqüências de nossos erros, sabendo que o Senhor está atento a cada momento de aflição e dará a benção e o descanso quando for necessário como fez a Davi.

Fiquem na Paz!!!

Postar um comentário