quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

REFLEXÕES



Estou acompanhando a minissérie “Rei Davi”, e no episódio desta terça-feira, Deus me levou a uma reflexão enriquecedora que pude ver confirmada na conversa que tive com a Regina e em algumas falas da Pra. Cláudia, ontem no Encontro de Mulheres.
A cena foi a aliança feita entre Jônatas e Davi, quando vi esta cena me lembrei de toda a história entre esses dois, de como Jônatas fez de tudo para proteger Davi e de como Davi foi benevolente com o filho de Jônatas depois que toda a família de Saul foi exterminada.
Às vezes, vivo dois conflitos diferentes, há momentos que diante de tantos benefícios que o Senhor me tem concedido, diante de sua graça e misericórdia em minha vida, me acho tão devedora, onde nada que faço parece ser suficiente, quero fazer mais, quero me doar mais e me sinto em conflito por não saber ao certo o que fazer.
Em outros momentos, diante de tanta injustiça, desencantamentos, desilusões, me pergunto: “Pra quê tanto esforço? pra quê tanta dedicação? pra quê abrir mão de tanta coisa? sinto-me como se estivesse lutando em vão, onde tudo que eu fizesse não fosse dar em lugar algum.
Já se sentiu assim, vivendo estes dois conflitos?
Mas foi nesta cena, que o Senhor me fez lembrar de algumas coisas muito importante.
I Coríntios 12:12-25 – Somos muitas partes, mas, todas elas compõe um só corpo, não há papel indispensável no Reino de Deus, todos são extremamente indispensáveis.
Quando lemos toda a história entre Davi e Jônatas, vemos o quanto Jônatas fez de tudo para evitar que Saul seu pai alcançasse a vida de Davi, em outro momento a Bíblia relata que Jônatas se levantou e foi ao encontro de Davi e fortaleceu sua confiança no Senhor. Jônatas foi imprescindível na vida de Davi, através de seu caráter e reconhecimento de que Deus era com Davi, ele foi um instrumento do Senhor para que Seus planos não fossem frustrados. Então o Senhor me fez entender que... ”Olha aqui Sandra, você está fazendo exatamente o que quero que faça e se Eu achar que tem que fazer mais, darei um jeito para que isso ocorra, apenas dê o seu melhor aonde você está, apenas seja grata por cada oportunidade que você tenha, até mesmo porque nada do que você faça pagará sua conta para comigo, sua dívida já foi paga.
Mateus 5:13 – E o que dizer daqueles momentos que tudo parece em vão. Será que num dado momento Jônatas não pensou assim, procurando ser sempre justo, temendo ao Senhor em todo o tempo e agora sendo perseguido até a morte juntamente com seus irmãos e pai que fizeram tudo de errado? Por que a sua vida não foi poupada?
Jesus disse que somos o “sal” da terra, ou seja, trocando em miúdos, a nossa presença, a maneira como conduzimos e construímos a nossa vida tem que ser sentida não importa em que tempo for, pelo bem que fazemos hoje.
Quando Davi se encontrou com o filho de Jônatas, Mefibosete a primeira coisa que lhe disse foi. “Não temas, porque usarei de bondade para contigo, por amor de Jônatas, teu pai,...” e como Mefibosete necessitava dessa generosidade, vivia num lugar desolado, escondido e era ele manco dos dois pés, conseqüência da fuga ainda criança da morte da casa de Saul.
Eliú estava certo quando disse que... “o mal ou bem que fazemos abençoa ou destrói quem nos cerca” Jó 35: 4-8
E como disse a Pra. Cláudia citando alguns versos de Mário Quitanda “as borboletas só virão, se estivermos cuidando do jardim”.
Creio que esses conflitos são importantes, pois eles nos aproximam para mais perto do Senhor em busca de respostas, e como é maravilhoso quando o Senhor encontra uma maneira de trazer essas respostas ao nosso coração, fazendo-nos O conhecer melhor.

Postar um comentário