quarta-feira, 1 de junho de 2011

Anne Rice, "Não Sou Mais Cristã"



Alguns dias atrás a autora best-seller Anne Rice, anunciou na sua página no Facebook que ela está parando com o cristianismo. Ela começou a rolar a bola com este anúncio:
Para aqueles que se importam, e eu entendo se você não: Hoje eu deixar de ser uma cristã. Eu estou fora. Permaneço fiel a Cristo, como sempre, mas não para ser “cristão” ou de fazer parte do cristianismo. É simplesmente impossível para mim “pertencer” a este grupo briguento, hostil, polêmico, e merecidamente infame. Por dez anos..., eu tentei. Eu falhei.
Ela rapidamente acrescentou esta explicação:
Como eu disse abaixo, eu parei de ser uma cristã. Eu estou fora. Em nome de Cristo, eu me recuso a ser anti-gay. Eu me recuso a ser anti-feminista. Eu me recuso a ser anti-controle de natalidade artificial. Eu me recuso a ser antidemocrata. Eu me recuso a ser anti-humanismo secular. Eu me recuso a ser anti-ciência. Eu me recuso a ser anti-vida. Em nome de Cristo..., deixei o Cristianismo e ser cristã. Amém.
No dia seguinte, trouxe um esclarecimento adicional:
Minha fé em Cristo é central para a minha vida. Minha conversão de um atéia pessimista perdida em um mundo que eu não entendia, a uma crente otimista em um universo criado e sustentado por um Deus amoroso é fundamental para mim. Mas seguir a Cristo não significa seguir os Seus seguidores. Cristo é infinitamente mais importante do que a Cristandade e sempre será, não importa o que o Cristianismo é, foi, ou poderia se tornar.
Se você tiver tempo e energia você pode ler as centenas e centenas de comentários em sua página no Facebook, a maioria elogiando-a por sua “coragem” de tomar sua posição contra o que poderíamos chamar de a igreja cristã visível. Aparentemente, ela ainda deseja seguir a Cristo sem ser parte da igreja cristã, ou a chamar-se cristã.
Muito moderno e contemporâneo, eu diria. Muito bem no espírito desta época.
Seguir Jesus, a quem você não pode ver, mas rejeitar a seus seguidores que você pode ver. Não é uma boa razão?
Vou conceder um pouco de crédito a suas queixas. O cristianismo sempre soa muito bem como uma teoria, mas depois você começa a parte confusa sobre a vida com esse grupo, que realmente é um “grupo briguento, hostil, polêmico, e merecidamente infame.”
Agora, para ter certeza, ela é pró-casamento gay, mas se essa fosse a questão principal, ela poderia encontrar grupos liberais cristãos que iria recebê-la de braços abertos. Vou deixar isso de lado por um momento e ir para o que parece ser o ponto principal aqui.
O que significa amar a Jesus se você não ama o seu corpo? Nós, que compomos a igreja visível somos, na verdade um monte de confusão. Eu tenho lido ultimamente em Efésios e tenho sido atingido por esse fato. Quando Paulo termina seu tratado doutrinário que toma Efésios 1-3, o que termina com a lembrança de que Deus é capaz de fazer muito além de qualquer coisa que podemos pedir ou imaginar (Efésios 3:20-21), Quando ele lança o chamado ponto “prática” no Capítulo 4, que é a primeira coisa que ele diz? Quero dizer, qual é a coisa primeira da sua boca? Confira Efésios 4:2.
“Sempre seja humilde e gentil. Pacientemente aturar uns aos outros e amar uns aos outros. “
Será que você conseguiu isso? “Pacientemente aturar uns aos outros.” A NTLH diz “tolerância mostrando uns para os outros.” Uau! Após toda a conversa que altissonantes em Efésios 1-3, o seu primeiro aviso é: “Você vai ter que aturar um monte de besteiras dentro da igreja, então é melhor você se acostumar com isso.” E eu acho que ele queria dizer: “Se você não se acostumar, você vai acabar ‘des-convertendo’ na sua página do Facebook”.
Vários escritores listam as várias coisas que Anne Rice sofreu como justificativa aparente para a sua decisão. Mas essas coisas tristes que sejam, não são únicas para ela. Jó 5:7 nos lembra que “o homem nasce para o problema, tão certo como as faíscas voam para cima.” Se você viver o suficiente, você vai ver um contingente total de sofrimento, tristeza e perda. Ninguém pega carona no planeta Terra. Eu poderia entender se ela disse, “Eu vou parar de ser católico porque eu acho que eu pertenço, aos presbiterianos.” Ou, se ela dissesse, “A igreja me deixa louca, mas eu vou ficar por causa da minha obediência a Cristo. “Ou se ela dissesse,” Eu me reverto para ser ateu. “Nesse caso, a simples honestidade exigiria que ela renunciasse ao cristianismo.
Anne Rice quer Jesus sem a adição confusa de sua igreja. Isso é como dizer: “Eu amo você, mas eu não suporto ficar perto de você por isso vou sair e assim eu nunca vou ter de te ver ou falar com você. Mas eu sempre vou te amar. “Jesus disse:” Eu edificarei a minha Igreja “(Mateus 16:18). Ele ama a Igreja, tanto que ele deu a si mesmo para a igreja (Efésios 5:25-27). Para dizer “eu te amo Jesus, mas eu não tenho nada a ver com os seus seguidores” é como dizer: “Eu amo você, mas eu odeio a sua noiva. Ela repugna-me. “
Eu não vou defender a igreja, pois não precisa de defesa. Todo mundo sabe que a igreja está cheia de hipócritas e pecadores, porque aquelas são as pessoas que Jesus veio para salvar. Pendure ao redor de qualquer grupo de cristãos por tempo suficiente e você é obrigado a se decepcionar, mais cedo ou mais tarde. Seu coração provavelmente será quebrado repetidamente. Mas cremos que Deus está vivo e no trabalho no meio do povo bagunçado que compõem a igreja. É por isso que estamos aqui, em humildade e mansidão de trabalho a nossa salvação, tentando viver juntos, às vezes alegre, às vezes com lágrimas, e, ocasionalmente, colocando-se uns com os outros. Às vezes a gente se farta. Se fomos para outra igreja, que acabaria por encontrar o mesmo tipo de pessoa briguenta que evidentemente levou Anne Rice para fora da igreja completamente.
Dietrich Bonhoeffer disse que a igreja é o lugar onde nossos sonhos são destruídos, e isso é uma coisa boa. Todo mundo vem para a igreja com um determinado conjunto de expectativas. Os novos crentes, muitas vezes entram na igreja à espera de encontrar um pouco de céu na terra. Todos nós pensamos e esperamos e esperamos que nossos irmãos e irmãs em Cristo nos tratem melhor do que os povos do mundo. E todos nós temos algumas idéias sobre música e adoração, pregações e sobre o que a igreja deve fazer e como ele deve ir para a frente. Mas, mais cedo ou mais tarde descobrimos que os santos não são sempre santos, e do povo de Deus nem sempre são tementes a Deus. Às vezes podem ser mal-humorado, mesquinho cruel, e, às vezes francamente cruel. A igreja, por isso, quero dizer a igreja local, rotineiramente nos desaponta. Quando isso acontece, a nossa fé é abalada e, por vezes a nossa esperança é destruída. Uma vez que nossas falsas expectativas são quebradas nas rochas duras da realidade, então (e somente então) é que começamos a experimentar a graça de Deus. É só o básico da vida, juntamente com todas as suas decepções e despertar rude que descobrimos o Espírito Santo agindo em nós. Na igreja estamos jogados junto com algumas pessoas com quem nunca havia alguma forma associados. E isso é uma coisa boa, porque Deus usa essas “pessoas angular” para nos moldar à imagem de Cristo.
Eu gostava de ler romance de Anne Rice Do Egito e achei muito poderoso. Eu sou grato que ela não é mais um atéia. Mas eu acho que a vida para ela não será melhor fora da igreja de Jesus. Eu não posso trabalhar de qualquer admiração por alguém que mandris tudo porque ela não gosta do povo que compartilha com um banco na manhã de domingo (ou os cristãos que se lê nos jornais ou ouve falar na TV). Não toma muita coragem para sair da igreja. É preciso muito mais coragem para enfrentar essas pessoas imperfeitas, alguns dos quais dizem e fazem coisas escandalosas, e se decepcionar de novo e novamente por padres e pastores falíveis todo-demasiado-humano, e acreditar profundamente em sua alma que você deve ficar e fazer parte do grande movimento de Deus chamada igreja.
Estes são os meus verdadeiros heróis. Não é o pessoal que quer sair, mas as pessoas que ficam, por vezes, quando seria mais fácil para ela sair também.
Publicado 02/08/2010

Postar um comentário