sábado, 2 de abril de 2011

Benjamim Burton



Minha filha alugou o filme O Curioso Caso de Benjamim Burton.
Um filme gostoso de ver com muitas partes narradas pelo próprio Benjamim, como se lendo um diário, onde você consegue destacar pensamentos interessantes.
E um desses pensamentos se dá quando ele passa a refletir sobre o acidente sofrido por Deise, a mulher que ele amava.
Ele começa dizendo...
“Algumas vezes estamos em uma rota de colisão, mas não sabemos.”
Ele passa então a descrever toda uma série de fatos e acontecimentos que aconteceram naquele dia, que se não tivessem ocorridos, evitariam o acidente que Deise sofreu, mas não foram evitados por estarmos dentro de uma rota de colisão, tinha que acontecer.
Pode até parecer fatídico, mas não deixa de ser uma realidade.
Pode parecer injusto, mas não temos controle sobre todas as coisas.
São situações que com certeza faríamos qualquer coisa para não estar nela, para não ter que enfrentá-la.
Dor, culpa, medo, impotência se misturam em lágrimas.
Por quê? Até quando? O que vou fazer? São perguntas constantes.
Mas se você quer saber, só tem uma maneira de superar as dores inevitáveis da vida.
Sabermos que nunca estamos sozinhos.
Sabermos que temos um Deus que não é só o Criador dos céus e da terra, mas é o Deus presente, Emanuel (Deus conosco está).
E esse “conosco” é muito mais que uma companhia.
É um estar na alma, na mente, no corpo.
Nos fortalecendo, nos sustentando, nos abençoando, nos dando direção e sabedoria para agir transpondo as adversidades.
Salmo 28: 6,7 resume isto muito bem.
Bendito seja o Senhor, pois ouviu as minhas súplicas.
O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, e dele recebo ajuda. Meu coração exulta de alegria, e com o meu cântico lhe darei graças.

Postar um comentário