sábado, 19 de março de 2011

Esperança


Quem é que já não disse essas palavras:

Eu só queria uma luz, uma seta, uma direção, uma palavra, algo que me fizesse saber que vale a pena esperar.

Leia este trecho tirado do livro de Max Lucado, e que Deus possa falar ao seu coração.


“Noé esperou mais sete dias e soltou a pomba de novo. Gên.8:10
O dia todo, ele esperou o retorno da pomba. Entre uma tarefa e outra, ele abria a escotilha e pesquisava o céu. Os meninos queriam que ele brincasse de pregar a cauda no burro, mas ele não quis. Em vez disso, ele preferiu subir no ninho do galo e olhar. O vento levantou o cabelo grisalho. O sol aquecia se rosto com as marcas do tempo. Mas nada apaziguava seu coração pesado. Ele não via nada. Nada de manhã. Nada depois do almoço. Nada mais tarde.
Agora, o sol está se pondo, o céu está escurecendo, e ele veio olhar mais uma vez, mas tudo que vê é água. Água ao norte. Água ao sul. Água ao leste. Água ao oeste. Água ao...
Você conhece esse sentimento. Você esteve onde Noé esteve. Você já teve sua porção de dilúvio. Dilúvio pela dor no cemitério, estresse no escritório, raiva na incapacidade de seu corpo ou na inabilidade de seu cônjuge. Você viu a água do dilúvio subir e é provável que também tenha visto o sol se pôr sobre suas esperanças. Você esteve no barco de Noé.
E você precisou do que Noé precisava; você precisava ter alguma esperança. Você não está pedindo um helicóptero para resgatá-lo, mas o som de um seria agradável. A esperança não promete solução instantânea, mas, antes, a possibilidade de uma eventual solução. Às vezes, tudo de que precisamos é de um pouco de esperança.
Era disso que Noé precisava. E isso foi tudo que Noé recebeu.
O velho marinheiro olha fixo para o sol dividido pelo horizonte. Dificilmente conseguiria imaginar uma vista mais bonita. Mas ele trocaria essa vista e cem mais por um hectare de chão seco e por um pomar de uvas. A voz da Sra. Noé lembra-o que o jantar está servido e que ele deve trancar a escotilha, e eleestá para desistir naquele dia quando ouve o arrulho da pomba. Eis como a Bíblia descreve esse momento: “Ao entardecer, quando a pomba voltou, trouxe no bico uma folha nova de oliveira”.Gên.8:11
Uma folha de oliveira. Noé está feliz em ter a ave de volta, mas... uma folha de oliveira! Essa folha era mais que folhagem, era promessa. A ave trouxe mais que folha de árvore, ela trouxe esperança. Pois não é issoque a esperança é? A esperança é uma folha de oliveira – evidência de terra seca depois do dilúvio. É a prova para o sonhador de que o sonho vale o risco.
Não amamos as folhas de olveira da vida?
“Parece que o câncer está em remissão.”
“Posso ajudá-lo com aquelas finanças.”
“Passaremos por isso juntos.”
E mais, não amamos as pombas que as trazem? Quando o pai acompanha o filho em sua primeira experiência de coração partido, ele dá ao filho uma folha de oliveira. Quando a esposa de muitos anos consola a esposa de poucos meses, quando diz a esta que os conflitos acontecem, que todos os maridos são mal-humorados e que essas tempestades passam, sabe o que ela está fazendo? Está dando uma folha de oliveira.
Amamos folhas de oliveira. E amamos quem as dá.
Talvez seja por isso que tantos amavam Jesus...

Postar um comentário