Google+ Followers

terça-feira, 6 de abril de 2010

Aprendendo com Zorobabel

ZOROBABEL
Semente da Babilónia.
Filho de Sealtiel (Ag 1:1) ou Salatiel (Mt 1:12); também chamado Pedaías (1Cr 3:17-19), i.e., de acordo com o uso frequente que é dado à palavra “filho”, poderia ser ainda neto ou sobrinho de Salatiel. É também conhecido pelo nome persa Sesbazar (Ed 1:8, 11). No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, conduziu o primeiro grupo de judeus, que incluía 42.360 pessoas, de volta a Jerusalém (Ed 2:64), excluindo-se os servos. Este grupo voltou do cativeiro no final dos setenta anos. No segundo ano depois do regresso do cativeiro, ele erigiu um altar e colocou os fundamentos do templo em ruínas, que fora destruído por Nabucodonozor (Ed 3:9-13; cap. 4-6). Em todo o trabalho realizado, ele sempre ocupou uma posição proeminente, visto que era também descendente direto de David.


Quero compartilhar o que tenho aprendido e me edificado com a trajetória deste homem.

Eu tenho uma Bíblia, chamada Bíblia Teen, utilizei muito esta bíblia a uns anos atrás, quando era professora de adolescentes de escola bíblica.
Aqueles livros que não gostamos muito de lê, porque na verdade não entendemos ao certo o contexto histórico, esta Bíblia trás uma espécie de release no início de cada livro em uma linguagem que procura de alguma forma aguçar a vontade de lê-lo.
Atualmente estou lendo um pouco sobre Zorobabel, quanta coisa tenho aprendido sobre ele e sobre as adversidades por ele enfrentadas.
Para entender um pouco sobre o que estava acontecendo em seu tempo, vamos a release do livro de Esdras na linguagem da Bíblia Teen.


Por que lê este livro?
Ver como Deus usa eventos para ajudar seu povo (Esdras 1)
Aprender como confiar em Deus diante da oposição (Esdras 4 – 6)
Ver o que você perde quando abre mão de convicções ( Esdras 7-10)



Por Trás das Cenas:
Se você mudou de uma cidade para outra, você sabe o que significa visitar a velha cidade. Nada parece o mesmo. As árvores parecem maiores, os prédios mais velhos e as pessoas diferentes. Tudo parece um tanto familiar, mas também muito diferente. Já não é mais “em casa”.
O povo de Judá tinha estado fora de Israel por setenta anos, cativos no império babilônico. Os persas então conquistaram a Babilônia e deixaram que os cativos voltassem para casa. Os judeus puderam voltar para Jerusalém e adorar seu Deus. Que motivo de celebração!
Mas as coisas eram diferentes agora. As pessoas eram diferentes. Agora eles eram chamados de judeus, não de israelitas. Muitos deles falavam basicamente o aramaico, não o antigo hebraico. Tinham vivido na área rural; agora eram um povo urbano.
Também o seu mundo era diferente. Em vez de ser uma nação independente, o povo judeu que retornou era mais uma comunidade religiosa. O povo que não tinha ido ao exílio não gostou da idéia de devolver as terras aos que retornaram. E Jerusalém, que o babilônicos haviam destruído, estava em ruínas. Assim, apesar do entusiasmo. Estar “em casa” não era a mesma coisa. Havia muito trabalho para ser feito.
Os livros de Esdras e Neemias, que originalmente faziam parte de um livro, contam a história desses exilados que voltaram. Esses livros focalizam basicamente a reconstrução do templo (Esdras 1-7), a preservação da fé (Esdras 8-10) e a reconstrução dos muros de Jerusalém (Neemias).
Em tudo isso vemos repetidas vezes pessoas querendo desistir. Vemos líderes desafiando o povo e renovando as suas forças. Vemos também a fidelidade do povo mesmo quando os obstáculos pareciam intransponíveis. Esta história pode servir de conforto e desafio para ficarmos firmes durante períodos difíceis.

Algumas passagens onde cita Zorobabel e que muito me edifica.

Esdras 3: 7-13/ 4:1-24 – Zorobabel era o líder deste grupo , ao lançar os fundamentos da construção, talvez psicologicamente não estivesse preparado para tamanha oposição.
Quantas vezes começamos algo com grande entusiasmo, porque acreditamos que estamos na direção certa, que o que estamos fazendo é o melhor a fazer e esquecemos que devemos nos preparar sim, para as adversidades , porque elas surgirão , porém se o nosso propósito for firme, o Senhor nos conservará em perfeita paz até que tudo seja concretizado (Isaías 26:3). Zorobabel não estava preparado, acredito que com o edito do rei embargando a obra, ele deva ter pensado:
Tanto esforço pra nada”
“Nosso sonho desmoronou”
“Eu devia ter percebido que eles são mais fortes do que nós

E pior começamos a criar desculpas para não irmos adiante com o nosso propósito.
“Ainda não está na hora, não é da Vontade de Deus”.
Exatamente como fazia aquele povo, senão o Senhor não teria dito através do profeta Ageu 1:2“Assim diz o Senhor dos Exércitos: Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo em que a casa do Senhor deve ser edificada”.

Em Zacarias 4:6-10, Deus fala através do profeta de uma forma que demonstra que esses medos eram latentes em sua mente.


"Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor Todo-Poderoso” (vers.6)
"Quem és tu, ó monte poderoso? Diante de Zorobabel serás como uma campina.(vers.7)
"Pois quem despreza o dia das coisas pequenas, os humildes começos, os primeiros passos, alegrar-se-á quando vê o prumo na mão de Zorobabel, a obra concretizada" (vs. 10).

Confirmado por Ageu 2:4, este profeta trás uma mensagem a Zorobabel, e a sua equipe e a todo o povo dizendo:



“Sejam fortes , não desanimem, continuem a obra, Eu estou convosco”, diz o Senhor.



Estas palavras juntamente com a profecia de Zacarias 4:6-10 foram fundamentais para que Zorobabel e todo o povo, lançasse todos os seus medos e temores nas mãos de Deus para os conduzirem ao projeto final, a construção do templo, exatamente como lemos em Esdras 6:6-12



Ainda hoje Deus fala conosco.



Fala, quando ouvimos uma mensagem que tem tudo a ver com o que estamos vivendo.
Fala, quando lembramos de uma canção que nos desafia a continuarmos.
Fala através de testemunhos.
O Senhor através de Sua multiforme sabedoria, sempre encontrará um meio para não desistirmos, sejamos sensíveis a voz de Deus.
Gosto muito de um trecho da canção do Renascer Praise, que fala exatamente desses momentos onde parece que os nossos olhos, só sabem olhar para baixo, para as dificuldades, mas quando despertados, sabemos exatamente o que fazermos.

“Olhar pro céu, e nas estrelas ver o Seu poder, poder que faz renascer.
Levanto pra viver, as Tuas promessas e andar de novo, no Teu Glorioso mover.
Tenho sede, quero mais de Ti Senhor...”

Postar um comentário